Buscar

Braskem sofre ataque de hackers e suspende parcialmente as entregas de resinas.


O grupo petroquímico Braskem foi alvo de um ataque de hackers em seu ambiente de tecnologia da informação. A operação suspeita foi percebida nesse domingo (4) pela empresa, que emitiu, no site da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), nessa quarta-feira (7), um comunicado ao mercado sobre o fato.


Segundo a companhia, o incidente não causou reflexo na sua produção, mas impactou sistemas como o de expedição e faturamento, prejudicando parcialmente a entrega de resinas aos clientes do grupo, já que alguns servidores foram colocados em modo de segurança, com a conexão suspensa. Até a tarde dessa quarta-feira, não havia prazo definido para o retorno da regularidade das atividades.


A Braskem afirma que o ataque foi detectado quando ainda estava em andamento. "A ação rápida evitou sequestro de informações e restringiu o impacto aos servidores", diz a companhia, através de nota. Funcionários da empresa, que não quiseram ter seus nomes divulgados, disseram que os caminhões não foram carregados na segunda-feira (5) nem na terça-feira (6).


Em setembro, o grupo vendeu 365,7 mil toneladas de resinas no Brasil, seu recorde. Nesses últimos dois dias e meio, após o evento dos hackers, a estimativa é que a Braskem deixou de transportar cerca de 30 mil toneladas em produtos, contudo a companhia não confirma oficialmente esse número.


O presidente do Sindicato das Indústrias de Material Plástico no Estado do Rio Grande do Sul (Sinplast-RS), Gerson Haas, afirma que já há transformadores sentindo dificuldades quanto ao recebimento de resinas. "Os estoques de algumas companhias já estavam apertados em função da falta de materiais e com essa questão dos hackers a situação complicou mais ainda", frisa o dirigente. O empresário comenta que desde julho já se percebia a escassez de resinas no mercado como o polietileno de baixa densidade, usado na fabricação de sacolas, e o polipropileno, empregado em potes e tampas.


De acordo com o presidente do Sinplast-RS, esse fenômeno ocorreu porque a produção nacional petroquímica não está conseguindo atender ao consumo, que está muito aquecido em áreas como de alimentos e bebidas. Apesar dos impactos causados pela ação dos hackers, Haas não acredita que o acontecimento, por se tratar de algo excepcional, possa ter reflexos no processo de venda da Braskem que está na pauta do cenário petroquímico nos últimos anos.


Você quer entender como um projeto de segurança corporativa acontece? Clique aqui agora mesmo!

Fonte: Jornal do Comércio

8 visualizações0 comentário