Buscar

Azure, AWS ou Google Cloud: descubra qual é o serviço de nuvem certo para o seu negócio

As três maiores plataformas do mercado preenchem a checklist de requisitos básicos de serviços cloud, mas uma boa decisão depende do conhecimento dos seus diferenciais

A computação em nuvem é um passo significativo da transformação digital nas empresas, um movimento que vem se tornando essencial para a sobrevivência no mercado.


Para ser bem-sucedido na jornada do Cloud Computing, é preciso escolher uma plataforma adequada às demandas do seu negócio, que não necessariamente é aquela que apresenta o maior escopo de serviços.


Para te ajudar nessa importante missão, vamos dar um panorama geral dos principais nomes do mercado de cloud atualmente e quais são as diferenças marcantes entre eles. Continue a leitura e confira!


AWS A AWS, sigla de Amazon Web Services, é uma plataforma de nuvem que tem como foco principal o oferecimento de uma ampla gama de serviços de TI, que engloba desde os nativos da nuvem e computação de borda, até ERP (Enterprise Resource Planning) e suas funcionalidades.

Essa amplitude de serviços somada à posição geográfica das suas operações, resulta em uma plataforma capaz de atender diversos tipos de demandas, desde a de uma startup ainda em implantação até a de negócios grandes e muito bem estabelecidos no mercado. Com a AWS, uma das maiores plataformas de cloud do mundo, é possível realizar o arquivamento de dados, seu backup e restauração, registrar transações com a tecnologia blockchain, usufruir dos benefícios da nuvem híbrida, hospedar sites e muito mais.


Sua popularidade veio da extensa lista de serviços oferecidos, que ainda está em crescimento, e da abrangência da sua rede de data centers, que é a maior do mundo. Tudo isso levou a plataforma da Amazon a ser destaque no mercado de nuvem pública e líder há mais de uma década no setor de IaaS (infraestrutura como serviço). Porém, é importante que você saiba que muitas empresas consideram difícil compreender a estrutura de custos da AWS e, durante o dia a dia de uso da plataforma, têm dificuldade de gerenciar esses valores quando há um grande volume de trabalho sendo executado.

Azure O Microsoft Azure é o serviço de gerenciamento de dados dessa gigante do ramo da tecnologia.


Como era de se esperar, a plataforma oferece uma experiência sólida e tem como ponto positivo de destaque a integração com outros produtos Microsoft, como o Windows Server e o SQL Server.


A Azure também é considerada uma plataforma com operações bem posicionadas geograficamente, com data centers alocados em países como a China, Indonésia, Brasil e Estados Unidos, por exemplo.


Embora ainda não tenha conseguido vencer a concorrência, estamos falando da plataforma que mais se aproximou da líder AWS e que também oferece uma extensa variedade de serviços, como o ambiente para desenvolvimento e testes, blockchain, nuvem híbrida, análise de escala, bancos de dados gerenciados e muito mais.


Como pontos fortes de usabilidade, podemos destacar a computação estendida em nuvem e de borda e lembrar que, obviamente, as empresas que utilizam muitos softwares da Microsoft vão se beneficiar da sua capacidade de integração com as aplicações da marca.


Além disso, mesmo que o lançamento da Azure tenha sido em 2010, o que pode ser considerado um pouco tarde para o mercado de nuvem, ela tem um grande foco em investimento para melhorias.

Google Cloud

O Google Cloud Platform (GPC) é o serviço de computação na nuvem do Google e que, atualmente, ocupa a terceira posição nesse mercado.


Inclusive, a plataforma segue investindo para ser um provedor robusto de IaaS e PaaS (plataforma como serviço) e também está evoluindo, ainda que pouco a pouco, nos recursos de borda.


O GCP tem operações geograficamente diversificadas e pode atender desde empresas pequenas até aquelas de grande porte, principalmente porque tem um plano inicial em que alguns serviços podem ser utilizados de forma gratuita dentro de um determinado limite.


Entre os serviços oferecidos e focados em simplificar tarefas, estão a criação de máquinas virtuais, o amplo armazenamento de dados na nuvem e até ferramentas adicionais que podem facilitar a gestão de produtividade no seu sistema. Aliás, vale ficar atento, porque o portfólio de produtos do Google Cloud está em constante expansão. As principais diferenças entre AWS, Azure e Google Cloud

Agora que já temos um panorama geral das três maiores plataformas de nuvem do mercado, precisamos ir mais a fundo em alguns detalhes para diferenciá-las e para que você, leitor, possa entender qual atende melhor a sua demanda.


1. Especialidades


Ainda que todas elas entreguem todos os serviços primordiais de cloud, com variações de desempenho em diferentes pontos, cada uma delas tem um foco específico.


A AWS tem como objetivo principal ser um amplo provedor de serviços para cloud e, assim, conseguir atender a demanda de diferentes tipos de empresas.


A Azure, por sua vez, foca em computação estendida em nuvem e de borda, além de ganhar destaque como cloud híbrida. Mas, como já te falamos por aqui, um grande pilar dessa plataforma é sua capacidade de integração com os produtos Microsoft.


Já o Google Cloud tem se posicionado como uma estratégia multicloud para organizações que já migraram para nuvem com outros provedores. A plataforma também tem evoluído significativamente em recursos de borda e está investindo para se estabelecer como um provedor amplo de IaaS e PaaS.


2. Estruturas de precificação


Como você já deve estar imaginando, os custos variam entre as plataformas e isso tem tudo a ver com a estrutura de precificação de cada uma delas.


Enquanto a AWS é considerada uma plataforma com uma estrutura de precificação complexa e com um custo mais elevado, a Azure trabalha com pré-assinaturas que possibilitam a previsão de valores. Portanto, o serviço de cloud da Microsoft pode ser uma solução melhor para quem precisa planejar os gastos.


Mas se você está se perguntando qual é a plataforma mais acessível das três, a resposta é o GCP. Inclusive, ele oferece descontos automáticos de acordo com seu uso.


3. Capacidade de integração


A AWS, justamente pela extensa gama de serviços que já apontamos como um diferencial importante, oferece diversas soluções para que seu contratante não precise adquirir serviços externos. Um exemplo disso é o fato de que a plataforma tem seu próprio banco de dados compatível com MySQL e ProstgreSQL.


Já a Azure, claro, tem um ponto forte em relação à integração com as soluções da Microsoft, o que pode ser um grande benefício para empresas que já utilizam os produtos da marca.


O Google Cloud, por sua vez, adquiriu ferramentas de migração para a nuvem como a Velostrata e a CloudPhysics, que trouxeram para a plataforma a capacidade de realizar processos de integração e migração com mais rapidez e eficiência.


Qual é a melhor escolha: AWS, Azure ou Google Cloud?

Como vimos ao longo deste artigo, cada provedor cloud possui prós e contras relacionados ao seu foco, custo ou capacidade de integração.


Porém, com a evolução constante desse tipo de serviço, fica cada vez mais viável para as empresas a adoção de um sistema híbrido, em que os recursos de diferentes plataformas são combinados para que o contratante usufrua de alta disponibilidade e do atendimento total da sua demanda operacional.


A Deploy Service conta com um time de especialistas em serviços de nuvem, que conhece de ponta a ponta as vantagens e desvantagens da AWS, Azure ou Google Cloud. Entre em contato conosco para analisarmos as necessidades do seu negócio e descobrirmos qual é a melhor plataforma para você.

[IS1]Inserir link da página de contato do site

8 visualizações0 comentário