Buscar

Automação é maior preocupação da TI no setor de manufatura.



Em resposta à crise causada pela pandemia de COVID-19, o setor de manufatura está investindo em automação para se tranformar. Os fabricantes dizem investir mais em automação do que em qualquer outra coisa, com 76,8% planejando projetos nos próximos 12 meses. É o que revela uma pesquisa sobre investimento do setor publicada recentemente pela japonesa Fujitsu.


O estudo sobre tecnologia na área de manufatura ouviu líderes de TIC em 17 países entre fevereiro e março de 2021. Foram ouvidos pela DataDriven – que conduziu a pesquisa – cerca de 210 tomadores de decisão principalmente em organizações com receita entre US$ 1,1 bilhão e US$ 5 bilhões (29,5% do total).


"A perspectiva da Fujitsu é que o próximo passo crucial é integrar a TI com a OT (tecnologia operacional). Hoje, elas permanecem em grande parte separadas em muitas fábricas ao redor do mundo”, pondera Alex Takaoka, diretor de vendas da Fujitsu do Brasil. “Vemos na integração da tecnologia de design de engenharia com as operações do chão de fábrica como uma oportunidade para os players alcançarem novos níveis de qualidade e eficiência.”


Pressão da concorrência


O estudo também descobriu que as indústrias estão experimentando crescentes níveis de concorrência e sentindo pressão competitiva, o que está impulsionando a transformação digital. Cerca de 75% relatam extrema competição global, e apenas 21,7% acreditam não estar expostos a players internacionais. Além disso, 68,7% dos fabricantes enxergam a concorrência adicional de novos entrantes e de disruptores com a intenção de aproveitar a participação de mercado.


Os fabricantes também estão investindo em inovação contínua e projetos de transformação digital. 80% dos entrevistados disseram que os resultados atenderam ou superaram as expectativas. Esses sucessos tem acelerando investimentos, que devem aumentar nos próximos 12 meses.


Pelo menos 30% estão fazendo investimentos significativos ou importantes em transformação digital em todas as 36 áreas operacionais investigadas pelo relatório.


TI e OT


Mais de dois terços dos entrevistados (69,3%) acreditam que a maior prioridade é melhorar a qualidade do produto em suas aplicações de fabricação, seguida pela melhoria da eficiência por meio de taxas de utilização (67,6%). Melhorar todos os aspectos da segurança é a terceira maior prioridade.


Em termos de tecnologias específicas, as aplicações corporativas primárias são vistas como cruciais. Enterprise Resource Planning (ERP) e Order Processing Software (OPS) permanecem no roadmap. No entanto, há mudança a caminho: 67,4% esperam diversificar cadeias de suprimentos e instalações de fabricação devido à COVID-19. Isso se reflete nos planos de investimentos em aplicações para os próximos 12 meses, e por isso gestão de estoques e pedidos, atendimento ao cliente, Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) e Gestão de Relacionamento com o Cliente (CRM) ganham relevância, nessa ordem.


Automação aparece como a principal preocupação e tem como objetivo melhorar qualidade e eficiência operacionais. Sustentabilidade também aprece bem classificada entre prioridades para novos investimentos, segundo o estudo. Os resultados, diz a Fujitsu, sugerem que as empresas perceberam que os consumidores prezam por marcas que se preocupam com o planeta.


Fonte: CIO

2 visualizações0 comentário